Matéria publicada em 04/01/2018


JUROS EM QUEDA

Com juros em queda, como fica meu plano de previdência?

Fique atento às novidades!

Queda da taxa básica de juros e inflação baixa deve alterar planejamento dos participantes

O que era apenas uma expectativa no começo deste ano, vem se mostrando uma realidade. Em dezembro do ano passado, o COPOM anunciou o décimo corte consecutivo na taxa básica de juros, chegando a 7%. Muitos participantes têm perguntado sobre a Reforma da Previdência, solicitam simulações de benefícios, mas a pergunta principal é: “o que muda na CargillPrev com a queda na taxa de juros?”.

Mesmo considerando uma taxa real entre 3% e 4%, que ainda é bastante alta se comparada ao resto do mundo, acreditamos que será nos últimos 10 anos, sem dúvida, a menor taxa real com consistência, podendo até chegar a níveis menores durante 2018, dependo da recuperação econômica.

Nosso entendimento é que com a queda da taxa básica de juros e inflação em patamares mais baixos, proporcionará uma mudança no comportamento dos participantes, seja pela opção da carteira de investimento com uma maior exposição em renda variável, aumento dos percentuais de contribuição, como também entender e aceitar uma maior volatilidade na rentabilidade da renda fixa em busca de maiores retornos financeiros e consequentemente um benefício de aposentadoria melhor no futuro.

Do lado da gestão da CargillPrev, temos a convicção de que não vamos conseguir melhores retornos financeiros sem dedicação, esforço e planejamento. Nos últimos anos, foram promovidas importantes alterações em nossa política de investimentos e este ano não será diferente, essas alterações visam adequar a gestão dos investimentos da CargillPrev ao seu crescimento patrimonial e situação econômica.

Clique aqui e confira a política de investimentos para 2018-2022, aprovada pela Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo da CargillPrev.

Como poupar para garantir aposentadoria

Pesquisa mostra que maioria não sabe quanto poupar. Veja opções para planejar futuro


Poupar para velhice: Brasil ocupa 101ª em ranking global

Estudo do Banco Mundial expõe nível baixo no país. Como pensar no futuro?


Direto ao ponto