Matéria publicada em 27/09/2017


É BOM PREVENIR

É bom prevenir

73% dos brasileiros reduzem padrão de vida na aposentadoria

Complementar a aposentadoria do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é uma necessidade de todos os trabalhadores que ganham mais de um salário-mínimo. E isso é ainda mais imprescindível para quem tem remuneração superior ao teto de benefícios pagos pela Previdência Social, que atualmente é de R$ 5.531,31.

A queda de renda para quem não poupa para a aposentadoria pode ser de até 74,5%, conforme pesquisa da consultoria Mercer Gama. O estudo revela que o problema é uma realidade para milhões de brasileiros. O crescimento das despesas na velhice e a obrigação de sustentar cônjuges, filhos e netos levaram 31% dos aposentados a voltar a trabalhar ou adiar o requerimento da aposentadoria.

A pesquisa mostra que 73% dos brasileiros reduzem o padrão de vida na inatividade porque não pouparam para a velhice e o benefício do INSS é insuficiente para manter o nível de despesas. Aderir a um plano complementar ajuda a evitar o problema.

O adiamento da inatividade ocorreu, explica o presidente da Mercer Gama, Antônio Gazzoni, porque os trabalhadores não tinham se planejado para ter uma renda de, no mínimo, 80% do último salário.

Nem só empresas e governos mantêm planos complementares para os empregados. Algumas categorias, como médicos e advogados, por meio de associações e sindicatos, oferecem planos instituídos. Nesses casos, porém, os aportes de recursos são feitos exclusivamente pelos participantes. A Abrapp estima que 6,6 milhões têm potencial para aderir a planos instituídos.

Para estimar a queda de renda, o levantamento levou em conta trabalhadores com salário de R$ 2.560 a R$ 20.317 antes de passar à inatividade. Na primeira hipótese, o segurado do INSS receberia aposentadoria de R$ 1.767, equivalente a 69% do último contracheque. O cálculo considera a aposentadoria de homens com 60 anos de idade e 35 de contribuição, além de mulheres com 55 anos e 30 de pagamentos regulares à Previdência. Nesses casos, não há incidência do fator previdenciário, e sim da fórmula 85/95.

A garantia de 69% do valor do último salário, aponta a pesquisa, é obtida por aqueles com rendimento de até R$ 6.658 na atividade. Os trabalhadores com remuneração final de R$ 8.024 mantêm 58,9% desse valor com o benefício pago pelo INSS. A queda de renda é mais profunda para os trabalhadores com nível salarial maior. Para quem ganhava R$ 14.853, o teto do INSS equivale a 34,1% da remuneração. Quem embolsava R$ 20.317 receberá apenas 25,5% desse valor.

Gazzoni explica que a redução do nível de renda em relação ao último salário será ainda maior se a reforma da Previdência for aprovada, com idade mínima de 65 anos e necessidade de 49 anos de contribuição. Nesse caso, quem requerer o benefício com remuneração final entre R$ 2.560 e R$ 6.658 terá apenas 63% desses valores como aposentadoria.

“A reforma trará ainda mais desafios para a população que precisa poupar para arcar com o aumento de despesas na velhice. E uma alternativa para suprir essa necessidade é aderir a um plano de benefícios”, diz - “Aderir ao regime de previdência complementar fechado é uma alternativa para quem não quer sofrer com a queda de renda. Os fundos de pensão não visam lucro e a rentabilidade líquida é revertida em favor dos participantes e assistidos”, destaca Gazzoni, da Mercer Gama.

Fonte: 26/7/2017 - Correio Braziliense

Mudanças na alocação em Renda Variável da CargillPrev

Fique atento às novidades!


Previdência Privada pode reduzir imposto de renda

Pague menos imposto contribuindo para previdência privada


Direto ao ponto