Pular para o conteúdo

Boletim de Investimentos

//

MAIO 2022

Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Prezado participante,

Este é o boletim de investimentos da CargillPrev, contendo os principais acontecimentos no mercado no mês de maio de 2022.

Boa leitura!

O mês de maio foi marcado pela alta volatilidade nas principais bolsas globais. Na Europa, o BCE segue com o tom de política monetária moderado em relação aos pares, porém sinalizando a possibilidade de iniciar o ciclo de alta de juros já na próxima reunião de julho, antecipando as expectativas iniciais que contavam com esse aumento apenas no final do terceiro trimestre deste ano.
Nos Estados Unidos, o Banco Central acelerou o ritmo de aumento de juros na última reunião e anunciou o início do programa de redução de seu balanço de ativos, visto como uma forma adicional de retirada de estímulos da economia americana.
Apesar de um cenário de inflação ainda pressionado, a discussão em torno de uma desaceleração mais forte da atividade global se tornou fonte de preocupações do mercado nas últimas semanas. Com isso, o comportamento dos rendimentos da treasurys de 10 anos dos EUA foi negativo e terminou o mês em baixa. No mês, a expectativa de juros passou de 2,94% para 2,85% e, assim, interrompeu a sequência de alta no ano.
No Brasil, os ativos de risco reverteram o resultado negativo de abril. O mercado de juros encerrou o mês novamente em alta. No campo econômico, a preocupação com relação ao cenário de inflação continua sendo o fator negativo no âmbito doméstico. Em relação à taxa de juros, que atualmente está em 12,75%, o BC sinalizou uma desaceleração do ritmo para a próxima reunião, além de ter reforçado a sua intenção de encerrar o ciclo de alta de juros muito em breve.
No mercado de ações, a bolsa brasileira seguiu as bolsas mundiais, com queda brusca até o meio do mês. No entanto, o fluxo estrangeiro voltou a aparecer no fim do período, e o índice se recuperou rapidamente, fechando o mês de maio com alta de 3,22%.
O IPCA divulgado em maio apresentou alta de 0,47%. No ano, o IPCA acumula alta de 4,78% e, nos últimos 12 meses, de 11,73%. A pressão oriunda de bens industriais e de preços de serviços continua a influenciar o componente subjacente da inflação. Nos índices IMA, o maior retorno no mês está vinculado aos ativos com duration superior a 5 anos, positivo em 1,16%, refletindo o fechamento das taxas longas.

Todo mês uma nova análise de investimentos. Acompanhe nosso boletim e aproveite.

Até a próxima,
Alexandre Muniz
Diretor de Investimentos CargillPrev

Resultados de Investimentos

Ver outros boletins de investimentos